Escolha uma Página

A capacidade do cérebro humano de se adaptar e reorganizar é fascinante. Este fenômeno, conhecido como neuroplasticidade, revela que nosso cérebro está longe de ser uma estrutura estática. Em vez disso, ele é altamente maleável e constantemente moldado por nossas experiências e ações. Entre as diversas maneiras de impulsionar a neuroplasticidade, a atividade física emerge como um fator-chave.

O que é Neuroplasticidade?

Antes de mergulharmos na conexão entre atividade física e neuroplasticidade, é importante entender o conceito de neuroplasticidade. Em resumo, a neuroplasticidade refere-se à capacidade do cérebro de formar novas conexões neurais, reforçar as existentes e reorganizar-se em resposta a estímulos ambientais, aprendizado e lesões cerebrais.

Atividade Física como Estímulo Cerebral

A relação entre atividade física e neuroplasticidade é notável. Quando nos exercitamos, nosso corpo libera substâncias químicas como a endorfina, que não apenas melhora nosso humor, mas também tem efeitos positivos no cérebro. Aqui estão algumas maneiras pelas quais a atividade física estimula a neuroplasticidade:

Aumento do fluxo sanguíneo cerebral:

O exercício aumenta o fluxo sanguíneo para o cérebro, entregando mais oxigênio e nutrientes essenciais para as células cerebrais, o que é fundamental para o funcionamento e a plasticidade do cérebro.

Estímulo ao crescimento de neurônios:

A atividade física promove a neurogênese, o processo de criação de novos neurônios. Isso ocorre principalmente na região do hipocampo, associada à memória e ao aprendizado.

Fortalecimento de conexões neurais:

O exercício regular fortalece as sinapses existentes, melhorando a comunicação entre os neurônios e, assim, fortalecendo as habilidades cognitivas.

Redução do estresse:

A atividade física ajuda a reduzir os níveis de estresse e ansiedade, que podem prejudicar a neuroplasticidade. Um estado mental mais relaxado é propício para a aprendizagem e a adaptação do cérebro.

Como Incorporar a Atividade Física na Rotina

A boa notícia é que não é necessário se tornar um atleta de alto desempenho para colher os benefícios da atividade física na neuroplasticidade. Atividades simples, como caminhadas diárias, ioga ou dança, podem fazer uma grande diferença. O importante é encontrar algo que você goste e possa manter regularmente. 

 

Em suma a neuroplasticidade é um dos aspectos mais empolgantes da neurociência, pois nos mostra que nosso cérebro tem um potencial de adaptação incrível. A atividade física, além de melhorar a saúde física, desempenha um papel fundamental na promoção da neuroplasticidade. Ao manter um estilo de vida ativo, você está investindo não apenas em seu corpo, mas também em seu cérebro, permitindo que ele continue a se adaptar e a se desenvolver ao longo da vida. Portanto, não subestime o poder transformador do cérebro.

Psicóloga clínica formada pela universidade de Taubaté, pós graduanda em neuropsicologia pelo Instituto de Ensino e Pesquisa Albert Einstein. Atende pela abordagem Terapia Cognitivo Comportamental e realiza avaliações neuropsicologicas para fins diagnósticos.
Sócia Proprietária do Instituto Sinapsi

Hortencia Grespan Siqueira

Psicóloga (Neuropsicologia), CRP 06/188717